UEA avança na P&D com parceria da SUFRAMA

O Superintendente da SUFRAMA, Alfredo Menezes recebeu nesta segunda-feira (25) o reitor da Universidade do Estado do Amazonas (UEA), Cleinaldo Costa, que apresentou os resultados da universidade com a captação de Recursos de Pesquisa e Desenvolvimento (P&D) junto a empresas do Polo Industrial de Manaus (PIM).

A reunião também contou com a presença da Coordenadora do Centro de Pesquisa da UEA, Waldeyde Magalhães, do superintendente adjunto de Planejamento e Desenvolvimento Regional, Marcelo Pereira e do Superintendente Adjunto Executivo da autarquia, Gustavo Igrejas.

De acordo com Cleinaldo Costa, a UEA tem concentrado esforços nos últimos anos para fomentar projetos de pesquisa que estejam aptos a captar recursos de P&D. O número de projetos, que, até 2018, era de apenas dois, cresceu para 28 no ano passado. “De 2013 para cá tivemos um salto de R$ 9 mi para R$ 90 mi em recursos captados. E a nossa intenção é garantir que novas pesquisas surjam incentivadas por esses recursos, e que tenhamos projetos ainda mais robustos daqui pra frente com o apoio da SUFRAMA”, informou.

Um dos exemplos de aplicação dos recursos de P&D apresentado pelo reitor é o Samsung Ocean, projeto em parceria com a gigante do setor eletrônico que criou um centro de capacitação tecnológica para incentivar a criação de startups e o desenvolvimento de soluções em tecnologia móvel. Segundo Costa, além de Manaus, apenas São Paulo possui uma sede do Samsung Ocean no Brasil.

Durante a reunião, Alfredo Menezes destacou os esforços da SUFRAMA e do Governo Federal para otimizar a gestão dos recursos de P&D, e disse que a autarquia tem o compromisso de contribuir para o desenvolvimento tecnológico e educacional da região. “Faremos o que for necessário legal para que estes recursos cheguem até a sociedade, que deve ser a principal beneficiada. É importante que possamos usar o Polo Industrial como um vetor de desenvolvimento, e esse é um excelente caminho’, destacou.

P&D

A Lei de Informática na Amazônia tem como prerrogativa que todas as empresas que produzem bens e serviços de informática apliquem, anualmente, no mínimo 5% do seu faturamento bruto no mercado interno, decorrente da comercialização dos produtos incentivados, em atividades de pesquisa e desenvolvimento a serem realizadas na Amazônia, conforme projeto elaborado pelas próprias empresas. A aprovação desses processos e a fiscalização da aplicação desses recursos é de responsabilidade da SUFRAMA.

 

 

Fonte. Carla Marinho – Ascom Suframa
Foto. Ascom Suframa


Redação Portal do Norte

Redação Portal do Norte

Manaus, Amazonas, Amazônia, Brasil, Comunicação, Imprensa, Notícias..
Redação Portal do Norte

 

Manaus, Amazonas, Amazônia, Brasil, Comunicação, Imprensa, Notícias..

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *