Após defeso, Mapará incentiva economia do Careiro da Várzea

No último fim de semana aconteceu a abertura da 3ª edição da Pesca do Mapará, no Lago do Rei, localizado no município de Careiro da Várzea (distante 22 quilômetros de Manaus). O Governo do Estado, em parceria com a prefeitura do município, esteve presente no evento, que contou com a participação de 800 pescadores cadastrados.

Segundo o secretário executivo de Pesca e Aquicultura (Sepa), Leocy Cutrim, o Lago do Rei possui uma pesca organizada, que conta com a parceria do Governo Federal, Governo do Estado, Governo Municipal e dos pescadores, o que demonstra um grande avanço para a categoria e a importância do mapará para região.

“Esse peixe tem um rendimento de filé fantástico, o pescado não possui espinha e é prioritariamente exportado para outros estados e países. Ele é pouco valorizado no Amazonas, por isso é preciso também que nossos chefs de cozinha possam incentivar a gastronomia do peixe mapará na região”, explicou Leocy.

A fase mais intensa da temporada da atividade é até final de março, porque os cardumes se dispersam com a cheia dos rios e entram por áreas de difícil acesso para os pescadores, tornando a atividade apenas de subsistência.

O prefeito de Careiro da Várzea, Ramiro Gonçalves, salientou a importância de praticar a pesca correta na região, de maneira sustentável, dando prioridade ao pescador do município e também estimulando o controle e venda do pescado.

“Os pescadores vendem direto para os compradores cadastrados, não possui atravessador, o que acaba beneficiando principalmente o consumidor final, com preço justo, alavancando a economia do município”, disse Ramiro Gonçalves.

De acordo com o secretário municipal de Pesca de Careiro da Várzea, Aldo Procópio, durante os três dias do evento (16,17 e 18 de março), a estimativa é de que sejam pescadas 300 toneladas de peixe mapará, gerando um faturamento superior a R$ 700 mil.

“Os 800 pescadores cadastrados são divididos em embarcações com duas ou três pessoas. O pescado é vendido apenas para os seis compradores, também cadastrados, com 12 barcos ‘tipo sede’, distribuídos no meio do Lago do Rei”, explica Procópio.

O pescador Márcio Martins afirma que o pescado é uma grande fonte de renda para o município e para sua família. “Sou agricultor e pescador. É um alivio quando encerra o período do defeso, pois assim temos uma opção de pescar e vender nosso peixe de forma legal, levando renda para minha família”, afirmou Márcio.

Participaram da abertura do evento, representantes da Secretaria Estadual de Produção Rural (Sepror), representada pelas suas vinculadas e departamentos (Ads, Idam, Adaf, Sepa e Seapaf), Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema) e Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas (Ipaam).

Ordenamento pesqueiro e fiscalização – Como gestora da política ambiental do Estado, a Sema participou do evento com ações de ordenamento pesqueiro, definindo as regras para a pesca na região e dando legalidade à atividade. “Apoiamos a prefeitura com a criação de um regimento interno para a pesca do mapará, aliando a importância da geração de renda para as populações, mas também a conservação da espécie. Com o ordenamento pesqueiro poderemos garantir estoques do mapará pelos próximos anos”, destacou o assessor do Núcleo de Pesca da Sema, Rogério Bessa.

O Ipaam, com apoio do Batalhão de Policiamento Ambiental da Polícia Militar, iniciou a fiscalização no lago três dias antes da data do evento, para garantir o cumprimento do defeso. “Até alguns anos atrás, a pesca do mapará era feita de forma clandestina por pessoas advindas de vários lugares, sem nenhum controle, o que comprometia a reprodução da espécie. Por isso, o Ipaam iniciou a fiscalização antes da atividade pesqueira para assegurar o cumprimento do regulamento definido pela Sema”, explicou o gerente de Fiscalização do Ipaam, Hermógenes Rabelo.

Fim do defeso e início da pesca do Mapará

De acordo com o engenheiro de pesca da Secretaria de Pesca e Aquicultura (Sepa), João Bosco, o mapará entrou no defeso, em 2007, devido grande escassez do peixe. Ele afirma que a Sepa busca promover e integrar a prática local. “A pesca está restrita apenas aos pescadores da região. No local ocorre o cadastramento e a estipulação das regras, como a definição das redes com malha mínima de 45 mm”, afirmou João.

O Lago do Rei, local onde é realizada a pesca do mapará, é um complexo formado por mais de 60 lagos de várzea e representa uma das áreas de maior potencial piscoso do Amazonas.

Proteção de espécies – A abertura da temporada de pesca do mapará, no Lago do Rei, ocorre após o fim do defeso, período que fica proibida a pesca dessa e de outras espécies como o pirarucu, tambaqui, matrinxã, pirapitinga, sardinha, mapará, pacu e aruanã. O defeso ocorre durante quatro meses. A medida foi instituída para garantir a proteção da reprodução das espécies.

 

 

 

 

 

Fonte. Mayana Thomaz – Ascom Sepror
Fotos. Emerson Martins e Ricardo Oliveira

 


Redação Portal do Norte

Redação Portal do Norte

Manaus, Amazonas, Amazônia, Brasil, Comunicação, Imprensa, Notícias..
Redação Portal do Norte

 

Manaus, Amazonas, Amazônia, Brasil, Comunicação, Imprensa, Notícias..

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *