Delegado Sotero é condenado a 30 anos de prisão em regime fechado

O Conselho de Sentença da 1a. Vara do Tribunal do Júri da Comarca de Manaus julgou e condenou, nesta sexta-feira (29), o réu Gustavo Sotero a 30 anos e 2 meses de prisão, em regime fechado, pelo crime e homicídio qualificado privilegiado de Wilson Justo Filho; além de tentativa de homicídio da vítima Maurício Carvalho Rocha e, ainda, duas lesões corporais (grave e gravíssima), respectivamente contra as vítimas Yuri José Paiva Dacio de Souza e Fabíola Rodrigues Oliveira. O réu, que é delegado de polícia civil, também foi condenado à perda do cargo.

Realizado no Fórum Ministro Henoch Reis e presidido pelo juiz Celso Souza de Paula, o júri teve início na quarta-feira (27) e registrou quase 35 horas de trabalhos em Plenário, nos três últimos dias, incluindo os debates entre defesa e acusação, inquirição de testemunhas e peritos e interrogatório do réu. A sentença foi lida por volta das 19h. O Conselho de Sentença foi formado por sete jurados (cinco homens e duas mulheres).

O Ministério Público do Estado do Amazonas esteve representado pelo promotor de justiça George Pestana e teve como advogados assistentes Anielo Aufiero, Catarina Estrela e Josemar Berçot. A defesa do réu foi feita pelo advogado Cláudio Dalledone e equipe. A defesa do réu anunciou a intenção de recorrer da sentença. Na Ação Penal n.º 0641996-45.2017.8.04.0001, Sotero respondia pelo homicídio de Wilson Justo Filho e por tentativa de homicídio contra Fabíola Rodrigues Pinto de Oliveira (esposa de Wilson), Maurício Carvalho Rocha e Yuri José Paiva Dácio de Souza.

O crime ocorreu no dia 25 de novembro de 2017, em uma casa de show localizada na zona Oeste de Manaus. O último dia da sessão de julgamento teve início com o interrogatório do réu, primeiro pelo juiz Celso de Souza Paula, seguido pelo promotor George Pestana e pelo advogado de defesa, Cláudio Dalledone. Esta fase, que teve início às 8h50, estendeu-se até 13h05, quando o juiz anunciou uma hora de recesso para o almoço.

Os trabalhos foram retomados às 14h, quando foi aberta a fase de debates entre os representantes da acusação e da defesa. O primeiro a falar foi o promotor George Pestana, que teve uma hora e meia para defender a tese da acusação que atribuía ao réu os crimes de homicídio contra Wilson Justo e se tentativa de homicídio contra outras três pessoas.

Em seguida, o advogado do réu, Cláudio Dalledone, passou a reforçar a tese de que o réu ao ser agredido pela vítima Wilson Justo e um amigo deste, agiu em legítima defesa ao sacar a arma e atirar várias vezes.

Assim como o promotor, ele falou por uma hora e meia. O Ministério Público abriu mão da réplica e, às 17h10, os jurados se retiraram do plenário para, em reservado, proceder a fase de quesitação e chegar ao veredito.

 


Redação Portal do Norte

Redação Portal do Norte

Manaus, Amazonas, Amazônia, Brasil, Comunicação, Imprensa, Notícias..
Redação Portal do Norte

 

Manaus, Amazonas, Amazônia, Brasil, Comunicação, Imprensa, Notícias..

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *