Nem sempre a vítima é a mais fraca, diz juiz da Lava Jato sobre Neymar;

Responsável pela Operação Lava Jato no Rio de Janeiro, o juiz Marcelo Bretas se posicionou nesta quinta-feira (6), por meio de seu perfil no Twitter, sobre o caso Neymar. Para Débora Mafra, delegada titular da Delegacia Especializada de Proteção À Mulher no Estado do Amazonas, ”Sem conhecer os autos do processo, qualquer opinião que induza a um juízo de valor, é precoce”.

“Preocupante! Suspeitas de fraude ou abuso de direito pela parte ‘mais vulnerável’ devem ser apuradas com rigor, sob pena de deslegitimar as demais situações de efetiva vulnerabilidade. Nem sempre a vítima é a parte mais fraca da relação”, publicou Bretas na rede social, marcando o perfil do atacante (@neymarjr).

O juiz replica um tuíte do deputado federal Carlos Jordy (PSL/RJ), no qual Jordy defende o camisa 10 da seleção brasileira da acusação de estupro por parte de Najila Trindade Mendes de Souza.

“A mulher faz uma acusação de estupro, faz com que o cara tenha sua vida destroçada, ele perde contratações e patrocínios, ela ganha seus minutinhos de fama e o vídeo mostra isso: NADA, além de uma agressão dela contra ele. As feministas vão fazer textão sobre cultura do estupro?”, escreveu o deputado.

Neymar foi cortado da seleção na madrugada desta quinta por causa de uma ruptura de ligamento no tornozelo direito, sofrida no amistoso contra o Qatar, em Brasília, nesta quarta (5). Também nesta quarta, a mulher que acusa o atleta de estupro veio a público pela primeira para falar sobre o caso.

Najila Trindade Mendes de Souza concedeu entrevista ao SBT, em que diz ter sido estuprada e vítima de agressão. Segundo ela, Neymar ignorou seu apelo para que fizessem sexo com camisinha, em Paris. O atacante foi intimado pela Polícia Civil do Rio de Janeiro a depor nesta sexta-feira (7), no Rio.

No Amazonas

Em recente pesquisa divulgada pelo Atlas do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada- IPEA, entre 2012 e 2017, crimes dentro das residências cresceram 17,1%. Porém no Amazonas  o índice de feminicídio se manteve estável no início de 2019, segundo a delegada titular da Delegacia Especializada Débora Mafra  “O estado do Amazonas mantém um rede de proteção às vítimas de violência doméstica o que na avaliação dela tem contribuído para a iniciativa das mulheres em denunciar situações de agressões e violência doméstica”.

Quanto a repercussão nas redes sociais sobre a veracidade do depoimento de uma vítima que acusa o jogador de futebol Neymar Jr. de um estupro, a delegada é categórica. ”No momento em que a mulher diz não, mesmo sendo casada ou prostituta, o homem tem que parar, e se não parar é considerado estupro sim. Ele tem que se defender, mas não cometendo outros crimes, como de expor em público fotos e conversas da moça, que não deveria, sem conhecer os autos do processo, qualquer opinião que induza a um juízo de valor, é precoce..”

Débora Mafra confirma que os dados na pesquisa nacional do Ipea são alarmantes, mas no Amazonas, no primeiro semestre de 2019 foram registrados 7 feminicídios consumados, número considerado razoável diante do país.

“Aqui oferecemos a Casa Abrigo, Alerta Mulher- um dispositivo instalado no celular, Ronda Maria da Penha e Medidas Protetivas e caso não queiram comparecer na delegacia, também podem fazer as denúncias através do 181 estaremos sempre prontos para atende-las.” ressaltou a Delegada.

 

 

Fonte. www.jb.com.br
Foto. Fernando Frazão – Agência Brasil


Redação Portal do Norte

Redação Portal do Norte

Manaus, Amazonas, Amazônia, Brasil, Comunicação, Imprensa, Notícias..
Redação Portal do Norte

 

Manaus, Amazonas, Amazônia, Brasil, Comunicação, Imprensa, Notícias..

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *