Seduc destina mais R$ 10,7 milhões de reais à empresa envolvida em superfaturamento

O deputado estadual Wilker Barreto afirmou que Secretaria firmou acordo sem contrato e sem licitação

Fornecedora de refeições preparadas para as escolas da capital e do interior do Amazonas, a empresa G. H. Macário Bento, cujo o dono Gustavo Henrique Macário Bento, foi preso na operação Eminência Parda, da Polícia Federal (PF), no mês de julho, recebeu no último dia 07 de novembro, R$ 10,7 milhões da Secretaria de Educação do Estado (Seduc) por um acordo firmado sem contrato e sem licitação por parte do Governo.
A denúncia partiu do deputado estadual Wilker Barreto (Podemos), onde o parlamentar revelou que a empresa, denunciada em março na Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam) por praticar sobrepreço, desta vez recebeu cinco empenhos da Seduc referente aos meses de agosto e setembro deste ano.

De acordo com os dados do Portal da Transparência, somente na última semana, a G. H. Macário Bento recebeu cinco valores: R$2.146.084,71; R$ 2.036.818,02; 1.683.998,01; R$ 2.983.995,72 e R$1.940.329,26, todos em caráter indenizatório.

“No começo do ano, o Governo contratou a empresa por dispensa de licitação, com um sobrepreço que cheguei a denunciar no Tribunal de Contas. Passados 11 meses, o Executivo não fez nenhuma licitação e a Macário Bento segue recebendo seus pagamentos que beiram mais de R$10 milhões. Isso é uma afronta ao erário público”, explicou Barreto.

Além da suposta irregularidade no contrato, o dono da empresa, Gustavo Henrique Macário Bento, chegou a ser preso pela PF durante a operação Eminência Parda, sendo acusado pelos crimes de peculato, lavagem de capitais e organização criminosa.

Segundo o deputado, a atual gestão não se importa em ligar o nome do Amazonas a uma empresa cujo dono está preso pela Polícia Federal. “É de uma irresponsabilidade tamanha. Além do sobrepreço da merenda, o Governo mantém um acordo feito às escuras com uma empresa que o dono está na carceragem da PF envolvido em várias acusações. Isso é um conluio com a prática criminosa”, criticou o parlamentar.

Denúncia de Wilker
A empresa G.H. Macário Bento já foi alvo de denúncia de Wilker Barreto na tribuna da Aleam. Em julho deste ano, o parlamentar revelou que o contrato firmado entre a fornecedora de alimentos e o Executivo estava superfaturado, com valores que chegavam a R$ 32 milhões. No contrato, a empresa atenderia capital e interior com acréscimo de mais de 50% nas refeições escolares, passando o lanche de R$ 2,10 para R$ 4 no interior e R$ 3,49 na capital, enquanto que o almoço foi de R$ 8,20 para R$ 11 no interior e R$ 7,98 na capital.

Vale lembrar que o Tribunal de Contas do Estado (TCE) mandou o Governo suspender este serviço no valor global de R$ 32 milhões, mas o Executivo não atendeu aos órgãos de controle.


Redação Portal do Norte

Redação Portal do Norte

Manaus, Amazonas, Amazônia, Brasil, Comunicação, Imprensa, Notícias..
Redação Portal do Norte

 

Manaus, Amazonas, Amazônia, Brasil, Comunicação, Imprensa, Notícias..

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *