Estudantes brasileiros enfrentam ‘bullying’ e indisciplina nas escolas
Homenagem às vítimas na escola Raul Brasil em Suzano, SP.

Estudantes brasileiros enfrentam ‘bullying’ e indisciplina nas escolas

Percepção dos alunos sobre vida e clima escolar revela que é necessário mudar a forma como debatemos a educação, segundo pesquisa PISA 2018

Escola brasileira incentiva a competição. Já estudantes relatam bullying e têm menos facilidade em solucionar problemas, mas concordam que seus professores têm entusiasmo ao ensinar. É o que revela pesquisa do Programa Internacional de Avaliação de Estudantes 2018 (PISA, em inglês), realizada pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

A pesquisa, divulgada a cada três anos, avalia o conhecimento de leitura, ciências e matemática de alunos de 15 anos de vários países. Nesta edição, mensurou também aspectos do bem-estar dos estudantes, que influenciam diretamente em seu aprendizado.

O PISA entende o bem-estar como um estado dinâmico, relacionado ao funcionamento psicológico, cognitivo, material, social e físico dos estudantes, mas também às capacidades que os jovens têm de ter uma vida feliz e fratificante. Para o programa, “sem investimentos suficientes no desenvolvimento de capacidades no presente, é menos provável que os alunos desfrutem de bem-estar quando adultos”.

Temas como bem-estar vem ganhando cada vez mais peso nos debates sobre educação. E estão relacionadas com o projeto Competências Globais da OCDE, que prevê lançar uma nova prova para mensurar a qualidade da educação. Previsto para o final de 2020, o exame vai medir as habilidades sociais dos estudantes e sua capacidade para encontrar soluções para problemas, o que é uma das habilidades essenciais para uma boa redação do Enem, por exemplo.
O resultado mais recente do PISA mediu diversas variáveis relacionadas ao clima nas escolas que afetam o bem-estar dos estudantes. Veja as principais informações reportadas pelos estudantes brasileiros:

1 em quase 3 estudantes sofrem bullying. 29% dos estudantes brasileiros entrevistados afirmaram sofrerem bullying pelo menos algumas vezes por mês, um resultado superior à média dos países da OCDE (23%).

Alunos brasileiros são menos satisfeitos com a vida. 65% dos estudantes brasileiros relataram estar satisfeitos com a vida, contra 67% da média de países que participaram da pesquisa. Cerca de 90% dos alunos brasileiro, no entanto, relataram, às vezes ou sempre, sentirem-se felizes; enquanto cerca de 13% dos estudantes disseram estar sempre tristes. “Na maioria dos países e economias, os estudantes apresentaram maior probabilidade de relatar sentimentos positivos quando relataram um forte senso de pertencimento à escola e uma maior cooperação entre seus colegas. Os que sofrem bullying com mais frequência expressaram mais tristeza”, informou a o relatório do PISA 2018.

Estudante é solidário, mas nem tanto. 85% dos brasileiros que participaram da pesquisa concordaram fortemente que é bom ajudar os alunos que não podem se defender. Na OCDE a média é de 88%.

Competição é mais comum que cooperação nas escolas. No Brasil, 48% dos estudantes relataram que seus colegas de escola cooperam entre si e 57% relataram que o ambiente de competição prevalece. Nos países demais acontece o inverso: a cooperação (62%) é maior que a competição (50%)

Solidão é maior entre adolescentes brasileiros. Cerca de 23% dos alunos do Brasil concordam ou concordam fortemente que eles se sentem sozinhos na escola. A média da OCDE é de 16% de estudantes solitários.

Indisciplina é um grande problema na sala de aula. Cerca de 41% dos estudantes afirmaram que quase todos os professores de linguagens precisam esperar muito tempo para que os alunos se acalmem antes de começar as aulas. O incômodo com a indisciplina no Brasil é muito mais alto que na média da OCDE (26%). E isto parece influenciar na performance dos adolescentes. Estudantes que reportaram este problema marcaram 19 pontos a menos em leitura do que alunos que não identificaram ou minimizaram o problema.

Adolescentes brasileiros faltam mais. No Brasil, 50% dos alunos faltaram um dia de aula e 44% dos alunos chegaram atrasados à escola nas duas semanas anteriores ao teste do PISA. Na média dos países que participaram da pesquisa, 21% dos estudantes pularam um dia de aula e 48% chegaram atrasados no mesmo período.

Entusiasmo dos professores é destaque. Cerca de 83% dos alunos do Brasil concordaram ou concordaram fortemente que o professor mostra prazer no ensino. Na média da OCDE esse número ficou em 74%. Os dados mostram que professores entusiasmados influenciam diretamente na pontuação de leitura de seus estudantes.

Brasileiros solucionam problemas pior que a média. 77% dos estudantes concordam ou concordam fortemente que geralmente conseguem encontrar uma saída para situações difíceis e 55% concordam ou concordam fortemente que, quando falham, se preocupam com o que os outros pensam. Na média da OCDE, 84% dos alunos afirmam serem capazes de solucionar problemas difíceis. Em contrapartida, 56% se preocupam com o que outros pensam quando eles falham. Os dados mostram que em todos os sistemas de ensino, incluindo o Brasil, as meninas têm mais medo do fracasso que os meninos.

Estudantes acreditam na meritocracia. A maioria dos estudantes do Brasil e dos países da OCDE entendem que seus talentos e habilidades pode ser desenvolvido através do esforço, a chamada “mentalidade de crescimento”.

Fonte. El País


Redação Portal do Norte

Manaus, Amazonas, Amazônia, Brasil, Comunicação, Imprensa, Notícias..

Redação Portal do Norte

Manaus, Amazonas, Amazônia, Brasil, Comunicação, Imprensa, Notícias..

Deixe uma resposta