You are currently viewing Esquema de corrupção no Exército pagou festa com prostitutas em motel

Esquema de corrupção no Exército pagou festa com prostitutas em motel

Juiz militar condenou 11 oficiais à prisão; fraude em licitação de alimentos envolveu 26 pessoas, incluindo empresários.

Um esquema de corrupção que envolveu um conluio entre oficiais do Exército e empresários em fraude de compra de alimentos para a caserna, ocorrido entre 2005 e 2006, começa a ser punido agora. A Justiça Militar condenou recentemente 26 acusados sendo onze oficiais — dois coronéis, um tenente-coronel, um tenente, um subtenente, um major e cinco capitães –, oito militares de baixa patente e sete empresários da área de alimentos.

Os militares e civis foram condenados pelo juiz federal substituto da Justiça Militar Alexandre Quintas a penas que chegam a 16 anos, no caso de um coronel.
Na sentença, o juiz relata que a proximidade entre dois capitães e um empresário era tamanha que “este último contratou prostitutas e promoveu uma festa em um motel de Manaus para os referidos oficiais.

O esquema foi desvendado pela Operação Saúva, realizada pela Polícia Federal em 2006. Revelou, com gravações e documentos, fraude em licitação na compra de alimentos, pagamento de propina, manipulação de preços, fraude no recebimento dos produtos em qualidade e quantidade.

Esse esquema se repetiu em alguma unidades militares, como batalhões de suprimentos, e até mesmo no Comando Militar da Amazônia e na Diretoria de Suprimentos do Exército em Brasília.

Alguns acusados confessaram o esquema, outros argumentaram violação da garantia do contraditório e ampla defesa e tentaram descaracterizar o crime de peculato para lei de licitações. Como todos são primários e com bons antecedentes, poderão recorrer da sentença em liberdade.

A Polícia Federal apontou o empresário Cristiano da Silva Cordeiro como líder do esquema. Além dele, foram acusados também de participação Lamark Barroso de Souza, da empresa Natumilk, e Ricardo de Oliveira Lobato, da empresa Ciali.

Cristiano Cordeiro foi preso em sua casa num condomínio de luxo em Manaus. Segundo a PF, ele teria montado um esquema com 60 empresas, sendo que 19 delas movimentaram em torno de R$ 354 milhões declarando ao fisco receita de R$ 27,7 milhões no mesmo período, segundo a PF.

Em nota, a 7ª Seção de Comunicação do Comando Militar da Amazônia comunicou que o processo que envolve os militares foi julgado na 11ª Circunscrição Judiciária Militar sediada em Brasília e que qualquer informação “seja encaminhada aquele juízo da Justiça Militar da União”.

Fontes. veja.com; portalvoce.com


Redação Portal do Norte

Manaus, Amazonas, Amazônia, Brasil, Comunicação, Imprensa, Notícias..

Redação Portal do Norte

Manaus, Amazonas, Amazônia, Brasil, Comunicação, Imprensa, Notícias..

Deixe um comentário