Artigo. Participação política e valores democráticos

Carlos Santiago é Sociólogo, analista político e advogado.

O Ser Humano é um ser de necessidades. Precisa de ar para respirar, água para beber, comida, fé e de vida em sociedade. Viver em coletividade torna o Ser Humano em ser político, mesmo que ele não queira ou se recuse a ser. É na vida coletiva que a política acontece, mas ela não se resume aos partidos políticos, à realização de eleições, às leis eleitorais e à existência da Justiça Eleitoral. Está presente no cotidiano de todos, das relações familiares ao convívio entre vizinhos.

O grau de importância da política na vida humana só acontece com a participação direta das pessoas nas decisões coletivas, incluindo as escolhas dos governos e dos representantes políticos, membros de conselhos tutelares e de saúde, por exemplo. Participar ou participação servem como formas de compreender o mundo social e impulsionar mudanças, buscando consensos e enriquecendo conhecimentos com os conflitos e superando-os (Bordenave, 1995).

O jurista Dallari (1999) aceita uma premissa do filosofo Aristóteles de que o homem é um animal político, porque nenhum ser humano vive sozinho e todos precisam de companhia de outros, sua natureza impede de viver sozinho: “a política é cuidar das decisões sobre problemas de interesse da coletividade […] é a conjugação das ações de indivíduos e grupos humanos, dirigindo-as a um fim comum”.

Na participação política não existe neutralidade. Há sempre uma posição ideológica, há sempre um disputado de poder que pode perder ou ganhar. A maior ideologia política é quando um participante de um ato público ou individual se coloca como alguém sem lado político, sem obrigação de ganhar nos embates e nos conflitos frutos da participação, Dallari (2010).

Porém, o pleno exercício da participação política é determinante nos regimes democráticos. E a democracia tem significados diversos. Pode ser o governo do povo, ou o governo da maioria. Posição diferente tem o francês Alain Touraine (1994), entendendo-a como essencialmente respeito às minorias.

Ranciére (2014) indica que existe um ódio à democracia pelas elites que tomaram o poder político (Estado) e se aliam aos detentores de riquezas (Poder Econômico), porque a democracia tem o princípio da igualdade e de governo popular, ou seja, do povo.

No Brasil, a Constituição de 1988 consagrou um modelo de democracia definido no Parágrafo único do Art.1°: “Todo o poder emana do povo, que o exerce por meio de representantes eleitos ou diretamente, nos termos desta Constituição.”.

Um modelo híbrido que é formado pela forma direta (plebiscito, referendo, audiências públicas, consultas públicas, projeto de Iniciativa popular e outros) e pela forma indireta (escolha de representes do Poder Legislativo e de governos através do voto) do exercício do poder popular, o que torna o Brasil detentor de uma democracia participativa, amparada pela consolidação de um Estado Democrático de Direito, em que as leis e os valores democráticos terão que ser respeitados e determinantes para as ações do Estado.

É certo que a democracia nas suas formas e conteúdos somente será aprofundada e aperfeiçoada com a participação da popular na sua construção normativa e na sua efetivação.

Precisamos entender que o ser humano tem vocação natural para a política. É na participação e na democracia que as pessoas entendem o significado pleno da política e do bem comum. Por isso, todos e todas precisam participar ativamente da vida política do País, pois os problemas da democracia só se resolvem com mais democracia.


Redação Portal do Norte

Redação Portal do Norte

Manaus, Amazonas, Amazônia, Brasil, Comunicação, Imprensa, Notícias..
Redação Portal do Norte

 

Manaus, Amazonas, Amazônia, Brasil, Comunicação, Imprensa, Notícias..

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *