Economia do Amazonas segue em marcha lenta: indústria cai 2,7%

No Amazonas, a economia segue em marcha lenta, de acordo com os dados divulgados na semana passada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) que retratam os quatro primeiros meses do ano nos setores mais significativos: comércio, serviços e indústria. Esses são os que geram mais postos de trabalho e envolvem o maior número de empresas.

Desde janeiro o governo federal vem reduzindo a projeção do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil, deve chegar  a 0,47%, segundo Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br). As baixas são reflexos do desempenho das atividades econômicas que apresentam saldos negativos ou tímidas melhorias.

Em abril, a produção industrial amazonense, na comparação com o mês anterior diminuiu -1,2%. Por outro lado, na comparação com abril 2018, o setor industrial registrou aumento de 4,0% em abril de 2019, com 5 dos 10 locais pesquisados registrando resultados positivos, ocasionando o crescimento significativo no mês.

Acumulado do período (janeiro-abril de 2019), frente a igual período do ano anterior, verificou-se uma melhora, mas ainda em situação negativa (-3,0%). O acumulado nos últimos 12 meses, registrou variação negativa de 2,7% em abril de 2019, subindo um pouco em relação ao mês anterior (-2,1%).

 Comércio e Serviço

Depois de um bom desempenho no mês de março, o comércio amazonense não conseguiu manter o ritmo em abril, caindo 1,3% na comparação mês atual com mês anterior. A boa noticia foi a comparação com abril de 2018, que alcançou 6,7%, indicando que as vendas em abril de 2019 foram melhores que as do ano passado. Abril também foi o primeiro mês de 2019 que o acumulado saiu do negativo (0,2%).

Em relação ao volume de vendas de 2019, o varejo amazonense variou -1,3%, frente a março do mesmo ano, O Amazonas teve a oitava maior baixa dentre as 27 unidades da federação. A maior baixa foi na Paraíba (-3,5%) e a maior alta em Roraima (3,2%).

Por outro lado, o setor de serviços, que apresentou leve crescimento de 0,8% em abril e a receita nominal 1,2% em relação a março. Em relação ao acumulado no ano e ao acumulado de 12 meses, os dados mostram crescimento da receita de 2019 em relação a 2018.

De acordo com a consultora econômica Priscyla Seiva, as pesquisas refletem a reação do mercado às incertezas da economia nacional. “O ministro da Economia  não tem conseguido levar adiante as políticas anunciadas e os empresários ficam receosos, e com razão. Podemos avaliar que a economia corre risco de recessão, inclusive”, alerta.

Neuler de AlmeidaConsultor econômico e professor da UEA

“Vejo na universidadeuma oportunidade de desenvolvimento. Daqui saem várias pesquisas que podem subsidiar o governo a montar novas propostas. Se a gente consegue formar maior capital intelectual para mão de obra, acredito que poderemos ter pessoas que estão focadas e preocupadas com o nosso desenvolvimento.

Acho que a educação é o caminho para nosso desenvolvimento, para pensar em novas matrizes, novos modelos, novas saídas. Eu sonho em ver o Amazonas um estado mais rico, mais forte, um estado que encontrou o caminho do seu desenvolvimento”, opina o consultor econômico e professor da Universidade do Estado do Amazonas (UEA), Neuler de Almeida.

O especialista, que é autor do livro “A dinâmica do desenvolvimento econômico no Amazonas – Desafios e Perspectivas”, acredita ainda que uma reestruturação da Zona Franca e uma descentralização da capital são a chave para a melhoria de vida população, por gerar atividades produtivas e emprego.

 

 

 

 

Fonte. Acritica.com
Foto. Arquivo AC

 


Redação Portal do Norte

Redação Portal do Norte

Manaus, Amazonas, Amazônia, Brasil, Comunicação, Imprensa, Notícias..
Redação Portal do Norte

 

Manaus, Amazonas, Amazônia, Brasil, Comunicação, Imprensa, Notícias..

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *