Vila Olímpica de Manaus completa 29 anos

Inaugurada no dia 26 de março de 1990, a Vila Olímpica de Manaus completou 29 anos de atividade. Administrada pela Secretaria de Estado de Juventude, Esporte e Lazer (Sejel), a Vila Olímpica tem mais de 228 mil metros quadrados e desde a sua criação leva o nome do Amazonas para além das fronteiras do Brasil, com a revelação de atletas que conquistam títulos em modalidades que começaram nas escolinhas de iniciação esportiva, e com o seu trabalho de relevância social.

“A nossa Vila Olímpica nos orgulha muito e temos trabalhado incansavelmente para que tenhamos professores mais qualificados e um espaço de excelência para a nossa população. São 29 anos de boas histórias e conquistas. Nosso objetivo é contribuir e levar mais esporte e lazer através dessa ferramenta de transformação, que é a Vila Olímpica de Manaus”, comentou o titular da Sejel, Caio André.

A Vila Olímpica detém uma das mais modernas pistas de atletismo do Brasil, composta de um espesso colchão de brita e granito compactado, num total de 6 mil metros cúbicos, revestida com bases em camadas, uma de concreto asfáltico, outra de massa asfáltica e um revestimento final de Sportflex. A pista foi palco de grandes eventos da modalidade, como três Sul-Americanos de Atletismo adulto e um de menores, um Troféu Brasil de Atletismo, uma Copa América, um Ibero-Americano, um Pan de Marcha Atlética, um Sul-Americano de Cross Country, um Sul-Americano de Maratona, uma Meia-Maratona e tantos outros feitos no espaço. Atualmente, além de receber grandes eventos do esporte, é local da escola de iniciação em atletismo.

Dentro da Vila, há, também, as quatro quadras desportivas, sendo uma de areia, a qual homenageia personalidades que fizeram história no esporte Amazonense, como o treinador Waldemar Baia Soares, do futsal, Danilo José Sobral Peres Junior, do vôlei, e Armando Jimenez da Silva, do judô. Entre os complexos esportivos estão ainda os da modalidade de boxe, ginástica e de tênis de mesa, que goza de um dos mais completos espaços da região norte com pisos e mesas oficiais, deixados pelo legado olímpico do Rio 2016.

Em fase de conclusão, está a piscina olímpica, que é reconhecida como uma das melhores do mercado e mede 25,00m x 50,00m, com dois metros de profundidade e 15 anos de garantia. Com tecnologia altamente moderna, é toda de aço inox, pré-moldada, com paredes, revestimento do pavimento e calhas de transbordamento separadamente ou em combinação.

Destaques internacionais

Por meio de todos esses aparatos esportivos, a Vila Olímpica é berço de grandes campeões que são conhecidos e reconhecidos internacionalmente por conquistas que se iniciaram aqui, a exemplo do velocista Sandro Viana, que foi bronze nas Olimpíadas de Pequim 2008. Ele tem tanta ligação com a Vila Olímpica que aniversaria no mesmo dia e também acompanhou a inauguração do espaço.

“Eu vim para a Vila Olímpica de bicicleta no dia da inauguração, na curiosidade. Vi na pista de atletismo os grandes atletas da época. Assisti as provas e nunca imaginei ser velocista. Iniciei no basquete e depois fui para a natação por mais de 10 anos. Aos 24 anos, fui para o atletismo e descobri minha verdadeira vocação. A Vila é parte de mim e eu faço parte dela. É tanta ligação que aniversariamos no mesmo dia”, observa Sandro.

“A Vila é muito especial e eu a tenho como uma parte de mim, da minha família, da minha casa, até porque eu me sinto à vontade aqui. Até hoje, em qualquer lugar do mundo que eu esteja, eu invoco a imagem da Vila na minha cabeça e me reinicio, pois tudo que eu aprendi aqui, eu uso diariamente. Meu desejo é que ela alcance o dobro de idade e formando bons cidadão e atletas, que é sua principal função”, enfatiza o medalhista olímpico.

Handebol

Outra personalidade que realiza trabalhos até hoje na Vila, é o professor Walmir Prado Alencar. Atleta de várias modalidades como futsal, vôlei e tênis de mesa, Walmir ganhou projeção nacional no handebol. Ele além, de atleta foi treinador da seleção amazonense de handebol de 1974 a 1989, onde conquistou o Brasileiro Estudantil de 1976, em Porto Alegres (RS), e o Brasileiro de Clubes de 1976, em Belo Horizonte (MG). Com a inauguração da Vila Olímpica, o handebol passou a ter um ponto de referência em Manaus, onde as diversas gerações de atletas da modalidade passaram a se preparar para representarem o Amazonas.

Medalhas

Walmir ressalta que a Vila tem papel primordial na sociedade, uma vez que resgata jovens, contribui com a segurança e a saúde de todos. “Desde a sua criação, a Vila Olímpica tem uma função essencial para a sociedade, pois tira os jovens da ociosidade, faz com eles estejam na prática de modalidades e assim configura uma segurança para os mesmos. Para o esporte em si, ganhamos muito com o Centro de Treinamento de Alto Rendimento do Amazonas (Ctara). Antes, os nossos números de conquistas era umas 40 medalhas. Com o Ctara, fomos a mais de 400. Isso só mostra o quanto este grande espaço fez, faz e pode fazer pela população do nosso estado” concluiu.

 

Função social

De acordo com Luiz Borges, presidente da Associação das Confederações e Federações Desportivas Olímpicas e não Olímpicas do Amazonas (ADA), o complexo sempre foi local de transformação de vidas, onde os jovens encontravam nos espaços da Vila as oportunidades para mudarem de vida. Se transformaram em atletas e como atletas viajaram o Brasil inteiro. “Nossa Vila é um local completo para um atleta que quer focar no seu alto rendimento. Aqui, eles cresceram nas modalidades. São vários exemplos. O lutador do UFC, Ronaldo Jacaré, que começou nas artes marciais dentro da Vila e atualmente é um espelho para nossos jovens”, lembrou.

São muitos os personagens que poderiam falar sobre a Vila Olímpica de Manaus, das mais diversas classes sociais aos mais variados profissionais, como o “Seu” Chiquinho, funcionário mais antigo ou o senhor Roberto Gesta de Melo, idealizador e primeiro administrador; Jeferson Mascarenhas, nosso grande nadador, e Maurren Maggi, que por aqui passou antes do ouro olímpico. De Ligia Santos do tênis de mesa a Gustavo Paulino dos Santos, do tiro com arco, de Walter Neto a Antônio Pizzonia, que iniciaram na pista de Kart, a Vila Olímpica é um patrimônio do povo amazonense, consolidado em quase três décadas de trabalho, mas que presta diariamente serviços ao Amazonas, ao Brasil e ao mundo.

 

 

 

Fonte. Nailson Castro -Ascom Sejel
Foto. Mauro Neto – Ascom Sejel


Redação Portal do Norte

Redação Portal do Norte

Manaus, Amazonas, Amazônia, Brasil, Comunicação, Imprensa, Notícias..
Redação Portal do Norte

 

Manaus, Amazonas, Amazônia, Brasil, Comunicação, Imprensa, Notícias..

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *