Maioria das vítimas de feminicídio no AM nunca tinha buscado polícia, alerta delegada

Destaques

Em 11 dos 17 casos de feminicídio registrados no Amazonas, no ano passado, as mulheres vítimas nunca tinham buscado apoio policial para se proteger do crime de violência doméstica. A informação é da delegada titular da Delegacia Especializada em Crimes contra a Mulher, Débora Mafra, que apela às mulheres para buscar socorro policial para denunciar os agressores.

Homicídio qualificado de mulheres motivado pela questão do gênero sexual, o feminicídio fez 12 vítimas em Manaus e cinco no interior do estado, em 2019. Os dados são da Secretaria de Segurança Pública (SSP-AM).
Segundo Débora Mafra, a maioria dos autores dos assassinatos era de ex-companheiros das vítimas. “O alerta é para as denúncias, pois das 17 vítimas de feminicídio, 11 nunca denunciaram, não tinham medidas protetivas, e isso está em estatísticas. Uma das vítimas denunciou, recebeu as medidas e, quando esta venceu o processo, ele foi arquivado pela Justiça. Ela retornou com o agressor, sofreu novas violências e não quis mais denunciar, e acabou morrendo”, detalhou a delegada.

A medida protetiva é essencial para a retirada do agressor do lar, impedindo-o de estabelecer qualquer tipo de comunicação com a mulher. Atualmente, 162 mulheres com medidas protetivas têm acompanhamento do Ronda Maria da Penha, da Polícia Militar.

“Se o agressor não obedecer a essas medidas, ele é preso, pois descumprimento de medidas protetivas é crime, sendo representado tanto como prisão preventiva quanto em flagrante, dessa forma, salvando a vida da vítima”, disse Mafra.

Ameaças – Quando ameaçadas, as mulheres devem registrar o boletim de ocorrência na Delegacia da Mulher, onde é solicitada da Justiça a medida protetiva. Em 2019, foram emitidas 12 mil medidas protetivas para mulheres vítimas de violência doméstica, número recorde.

“Nós temos visto que muitas mulheres têm rompido o ciclo de violência doméstica, indo denunciar. Quando a gente fala que houve o aumento da violência doméstica, na verdade houve o aumento das denúncias, dessa forma encerrando a violência e o feminicídio”, salientou Mafra.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *