Artigo. A Abolição “Incompleta”

Luciano Everton Costa Teles é Historiador.

Nessa semana em que se completou 132 anos da abolição da escravatura, alguns comentários são necessários, sobretudo porque a ideia de que a abolição foi concedida pela princesa Isabel encobre uma significativa e intensa luta dos escravos africanos e afrodescendentes pela sua liberdade.

Ao contrário do que propaga a História Oficial, que situa na princesa Isabel o protagonismo histórico acerca do fim da escravidão, e longe da perspectiva que encara os negros como mercadorias passivas e vitimizadas do mundo da escravidão, os homens e as mulheres das senzalas deram respostas ao contexto social em que estavam inseridos, fizeram escolhas, sendo uma delas a luta pela sua liberdade. Foram, acima de tudo, protagonistas da sua história e, consequentemente, agentes históricos que contribuíram enormemente para a formação cultural brasileira.

Muitos conseguiram conquistar a sua liberdade comprando a sua alforria. O pecúlio necessário para romper os laços da escravidão foi alcançado de variadas formas. Lembremos que o trabalho escravo não se restringia à lavoura ou ao trabalho doméstico, atingindo outras atividades econômicas como o trabalho nos portos, nas padarias, na construção civil e até mesmo na economia informal. Em geral, aquilo que era economizado pelos negros vinha dessas atividades e, claro, da divisão e negociação que realizavam com o seu senhor. A relação era tensa, diga-se de passagem.

Ao lado dos trabalhadores livres, participaram de organizações étnicas e/ou de classe, no século XIX, as quais fizeram várias campanhas em defesa do fim da escravidão e até de ajuda financeira para comprar algumas alforrias. Assim, parcela significativa de escravos conquistou a sua liberdade. Eles tornaram-se libertos, o que era diferente de livres. Estes eram aqueles que vinham em navios negreiros ilegais (especialmente após a Lei Eusébio de Queiroz de 1850, que decretou o fim do tráfico negreiro no Brasil) e que eram “resgatados” de tal situação. Livres e à margem da sociedade daquela época! Cabe ressaltar também que muitos escravos fugiram e formaram os famosos quilombos e que lá “muitos nasceram na mata e nunca tiveram senhores”.

De modo que, em 1881, como sublinha a pesquisadora Wlamyra de Albuquerque em uma entrevista concedida ao Brasil de Direitos, a quantidade de pessoas negras libertas e livres já era maior do que a dos escravizados no Brasil. Isso 7 anos antes da Lei Áurea e depois das Leis do Ventre Livre (1871) e dos Sexagenários (1885), estas duas últimas implantadas para delongar a escravidão. O Brasil foi o último país do mundo a abolir a escravidão.

E se considerarmos a Lei Áurea de 1888, ela apenas decretou o fim da escravidão e nada mais. Não houve política de inclusão social dos negros, mas de controle e exclusão, agora orientada pelo Estado, inclusive no regime republicano. Diga-se de passagem que o projeto de nação proposto no Império, e que continuou na Primeira República, tinha como referência a matriz cultural europeia e, consequentemente, a negação/eliminação das matrizes culturais africanas e indígenas. Inclusive com políticas e práticas eugênicas.

Nesse contexto, o movimento negro, ao longo de décadas, lutou por políticas públicas de reparação e inclusão social. Tiveram conquistas, como a liberação da capoeira e do candomblé, que foram proibidos no início da República. Mais recentemente, o racismo se tornou crime e a cultura africana e afrodescendente passou a ser valorizada através de políticas públicas educacionais. Implantou-se um sistema de cotas.

Vitórias do movimento negro, que continua lutando, especialmente hoje em dia, pois tais conquistas estão sendo atacadas pelo (des)governo atual e sua base de apoio. Hoje ainda se luta contra a demonização das práticas religiosas de matriz africana, os preconceitos e as desigualdades raciais/sociais. Neste último caso, a última pesquisa do IBGE demonstra, por intermédio de um recorte racial no quesito renda média mensal, que uma pessoa branca recebe em média 70% a 80% a mais que uma pessoa parda ou preta (ver: https://www.nexojornal.com.br/expresso/2020/05/11/A-desigualdade-de-renda-no-Brasil-%C3%A9-alta.-E-vai-piorar).
A abolição precisa ser completa e, para isso, a luta deve continuar, com novas e definitivas alforrias!


Redação Portal do Norte

Redação Portal do Norte

Manaus, Amazonas, Amazônia, Brasil, Comunicação, Imprensa, Notícias..
Redação Portal do Norte

 

Manaus, Amazonas, Amazônia, Brasil, Comunicação, Imprensa, Notícias..

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *