Crimes Invisíveis nos Cárceres do Amazonas

“É preciso responsabilizar os infratores por seus crimes e apostar na educação, como instrumento para a ressocialização dos detentos nos presídios”, disse Fábio Monteiro.  A declaração do Procurador de Justiça aconteceu na palestra sobre o tema, no auditório da OAB-AM, durante o I° Seminário de Prevenção e Combate à Tortura no Amazonas. No estado, 111 detentos foram mortos dentro dos presídios entre os anos de 2017 e 2019, e não se tem notícia sobre a responsabilização da conduta de agentes públicos, mesmo quando há denúncias de tortura realizadas por familiares.

O I° Seminário de Prevenção e Combate à Tortura no Amazonas, evento organizado pelo Comitê Estadual de Prevenção e Combate à Tortura – CEPCT e SEJUSC-AM, reuniu diversos órgãos públicos e atores sociais para debater práticas de tortura contra detentos no sistema prisional do Amazonas.

Para o presidente do Comissão de Direitos Humanos da OAB-AM, Epitácio Lima, o mais grave da situação no estado é a invisibilidade do assunto.

“Tenho mais de vinte anos de atuação como advogado e nunca ouvi falar que algum agente público processado ou que tenha cumprido pena por prática de tortura contra presidiários no Amazonas”, concluiu Epitácio. Segundo o advogado, ele mesmo já levou sob sigilo, detento para depor no Ministério Público, sobre ter sido vítima de tortura durante o cumprimento de sua pena.

 


Redação Portal do Norte

Redação Portal do Norte

Manaus, Amazonas, Amazônia, Brasil, Comunicação, Imprensa, Notícias..
Redação Portal do Norte

 

Manaus, Amazonas, Amazônia, Brasil, Comunicação, Imprensa, Notícias..

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *